MENU

Livros do Prof. Jorge Melchiades

Caminho de Evolução

O Pardal Tarado

Palmadas no Lacaio

Maria das Dores

Nossa Posição - 3 Anos de Editoriais

Quem é Você?

Quem sou Eu?

Como Interpretar Sonhos

Um Anjo Muito Malandro

Nós, Freud e o Sonho

Seja Feliz Já

Vídeos - Psicologia Racional

Um presente para você !

Clique aqui e faça o download do livro "Nós, Freud e o Sonho" do Prof. Jorge Melchiades Carvalho Filho

Ótima oportunidade ao leitor, de conhecer alguns conceitos básicos da teoria freudiana através de uma sintética, interessante e revolucionária versão não materialista. Ao relatar O SONHO que teve com o criador da Psicanálise, o autor vai expondo, de maneira acessível a qualquer pessoa interessada, os passos primordiais para o início de uma ANÁLISE pessoal, que leve em conta os anseios mais PROFUNDOS da alma.

Outros Livros do Nupep

mais artigos do Prof. Jorge Melchiades

“QUANTO VALE ESTE ESCRAVO?”

 Esta pergunta foi feita infinitas vezes no mercado de escravos de antigamente, quando pessoas eram vendidas e compradas às escancaras... Quem perguntava queria saber o VALOR dado pelo mercado, a alguém considerado um corpo sem alma. Isto é, o escravo era tido como mera peça de um sistema mercadológico e seu VALOR diminuía quando apresentava moléstia ou avanço de idade. Seu VALOR, evidentemente, desaparecia com o corpo sepultado após a morte, sendo esta um ligeiro transtorno nas engrenagens da produção e do consumo, facilmente resolvido com a TROCA de uma “peça” por outra.

Desde seus primórdios na Terra, o homem escraviza outros animais e os semelhantes. Caracterizada pelo destino que alguns, investidos de PODER, determinam a outros, a escravidão vitimou praticamente todos os povos da antiguidade, sujeitando principalmente prisioneiros de guerra e devedores inadimplentes... Por regra, o VALOR de um escravo sempre correspondeu com a sua capacidade de dar VANTAGEM ECONÔMICA aos que o CONTROLAVAM. Isso significa que, aqueles que atribuíam VALOR ao escravo também controlavam o seu DESTINO, pois fixavam o que devia fazer, quando, como e onde... Daí que o VALOR do escravo variava de acordo com sua força para trabalhar e o seu desempenho técnico, depois de ser treinado nas funções que lhe eram exigidas. É muito conhecida a história bíblica de José, que foi vendido como escravo pelos irmãos e chegou a auxiliar o Faraó no governo do Egito (Gênesis, 37; 1 e seguintes). Aliás, nunca deveríamos esquecer esse exemplo e outros semelhantes registrados na história, porque mostram a existência de pessoas que entregam filhos, irmãos e parentes à escravidão, por não vislumbrarem melhor DESTINO para eles.

Por outro lado, também é bom não esquecer que um dos recursos usados pelos controladores de preços, para manter pessoas na condição psicológica de escravos, foi a de impedi-los de CONHECER seu próprio VALOR ou VERDADEIRA e natural IDENTIDADE de ser. Para o DONO dos preços lucrar e dominar melhor, era importante que o escravo IGNORASSE sua verdadeira identidade e ACREDITASSE que seu VALOR residia apenas no CORPO... Basta estudarmos a escravidão dos nativos da África e do Brasil, por exemplo, para verificar a aplicação de métodos capazes de impedir o autoconhecimento e obter submissão total, como separá-los dos parentes e amigos e enviá-los para terras distantes onde, isolados e enfraquecidos moralmente, eram até batizados com NOMES diferentes. Tais métodos tinham o mérito de fazer o escravo ESQUECER o respeito conquistado na comunidade onde nasceu, e os laços de amor e de amizade que o fortaleciam nos rituais e práticas coletivas, que lembravam seu VALOR FUNDAMENTAL e dos antepassados, considerados vivos e presentes após a morte, com seus exemplares códigos de honra e de dignidade ética.

É claro que sempre houve senhores IGNORANTES e incapazes de incorporar métodos mais sutis de dominação para levar mais VANTAGENS econômicas com a escravidão. Maltratavam seus escravos, que reagiam se rebelando, adoecendo e morrendo... Os donos mais espertos, porém, dispensaram o chicote, as algemas e as correntes visíveis e ofereciam MOTIVAÇÃO para o escravo obter ganhos e a carta de alforria, entendida como a “libertação”. Espertos administradores incorporaram mais valores ao patrimônio, permitindo que escravos tivessem descanso, lazer e divertimento, cuidados de saúde e moradia familiar como INCENTIVO para a PROCRIAÇÃO. Esse tipo de “dono” aperfeiçoou tanto seus métodos que, por via da Inglaterra, passou a forçar países escravagistas, como o Brasil, a “libertar escravos” em favor da PRODUÇÃO industrial e da abertura do mercado de consumo.

A esta altura do texto imagino o amigo capitão João Brotas perguntando: “Mas, será que a escravidão não acabou?” Então eu responderia: “Meu amigo, você já imaginou como seria viver numa sociedade escravagista global, na qual escravos se julgariam livres? Seria assim:

Os métodos para alienar o escravo de seu verdadeiro VALOR e IDENTIDADE de ser quase não seriam notados... Como nos primeiros tempos, o escravo voltaria a ser de todo tipo, raça ou cor, porque global. Iria viver em outros países, longe dos parentes e da família, até arranjar companhia e começar a PROCRIAR. Perseguindo o melhor preço do mercado não raciocinaria para descobrir sua VERDADEIRA IDENTIDADE, nem aprofundaria laços com parentes e amigos, em razão da “falta de tempo”, pois tem de estar sempre disputando os melhores empregos. Seu sonho maior seria o do destino imposto; o de ficar rico ou ganhar na loteria para comprar a alforria, ou aposentadoria. Assim, levado a abandonar a comunidade e a família, seguiria mutilado da ALMA RACIONAL o caminho programado pelo DONO dos preços, mas CRENTE de ser a coisa mais natural a fazer, pois tem de atender ao senhor do seu destino, que reconhece ser: “o exigente mercado de trabalho, de produção e de consumo”.

Nessa sociedade, as pessoas educariam filhos, irmãos e parentes e os entregariam à escravidão, por não vislumbrarem melhor DESTINO para eles.

Em raros momentos de lucidez esse escravo hodierno olharia no espelho, observaria seu CORPO vazio de alma envelhecendo e perguntaria desolado mais ou menos assim: “Quanto vale este escravo?”.

 

 

Prof. Jorge Melchiades Carvalho Filho

Fundador do NUPEP

Membro da Academia Sorocabana de Letras

Publicado na Folha Nordestina – edição de junho - 2012

mais artigos do Prof. Jorge Melchiades