MENU

Livros do Prof. Jorge Melchiades

Caminho de Evolução

O Pardal Tarado

Palmadas no Lacaio

Maria das Dores

Nossa Posição - 3 Anos de Editoriais

Quem é Você?

Quem sou Eu?

Como Interpretar Sonhos

Um Anjo Muito Malandro

Nós, Freud e o Sonho

Seja Feliz Já

Vídeos - Psicologia Racional

Um presente para você !

Clique aqui e faça o download do livro "Nós, Freud e o Sonho" do Prof. Jorge Melchiades Carvalho Filho

Ótima oportunidade ao leitor, de conhecer alguns conceitos básicos da teoria freudiana através de uma sintética, interessante e revolucionária versão não materialista. Ao relatar O SONHO que teve com o criador da Psicanálise, o autor vai expondo, de maneira acessível a qualquer pessoa interessada, os passos primordiais para o início de uma ANÁLISE pessoal, que leve em conta os anseios mais PROFUNDOS da alma.

Outros Livros do Nupep

mais artigos do Prof. Jorge Melchiades

Relações Fast Food

Quem já não ouviu alguém se queixando de falta de tempo para se dedicar ao aprimoramento das relações com parentes e amigos? É queixa muito comum nos dias atuais, porque parece que todo mundo está com pressa de progredir profissionalmente e de gozar dos prazeres oferecidos no mercado das diversões. O encontro festivo no churrasco de fim de semana, na cerveja da sexta-feira ou na cabeleireira, porém, se dá em clima de superficialidade, no qual falta autêntica atenção, carinho e compreensão.

Nessa correria, então, as relações interpessoais são iguais a refeições fast food, e o prazer de saborear com calma o que se tem no presente é substituído pela ilusão de vida plena, no futuro.

Entre as pessoas que dedicam seu tempo a realizar esforços e estudos para vencer profissionalmente e para aproveitar os prazeres das diversões em voga, é pouco provável que alguém se disponha a “perder tempo” no esforço de aprofundar a compreensão sobre o outro, pois a própria compreensão de si mesmo, que exige reflexão apurada sobre aspectos psicológicos e espirituais, também é relegada ao porvir.

Afinal, para viver correndo atrás do “pão e circo”, fornecido pela ideologia política e econômica, basta a noção difusa e confusa de uma existência cercada por coisas e pessoas de todos os lados. E as pessoas, dentro desse contexto, são julgadas apressadamente tendo-se por referência a simpatia ou antipatia espontânea que causam, pois, como dizem: “a primeira impressão é a que fica”. Terminam, então, sendo “conhecidas” apenas pelos estereótipos formados em função da disposição humoral e preconceituosa de quem julga.

Assim é que, sob as desculpas que tornam relevantes apenas as exigências impostas pela cultura, muitas pessoas dificultam o aprofundamento das relações afetivas com o semelhante e com a natureza que as gerou e as sustenta. Facilitam, por outro lado, a proliferação de pessoas superficiais que fazem um estardalhaço danado quando falam da proteção à natureza e são levadas por campanhas demagógicas a plantar mudinha de árvore que será derrubada tão logo convenha ao progresso da selva de pedra. Depois disso, são levadas a plantar outra e a repetir estardalhaço tão leviano quanto o anterior. Por tal razão é tão difícil encontrar quem verdadeiramente busca compreender o efeito das próprias ações nas relações com outras pessoas e com os rios, matas e animais...

Jogar plástico nas ruas, entulhar calçadas com obstáculos que de algum modo dificultam o trânsito seguro dos cidadãos, ser indelicado e dirigir veículos agressivamente etc., ou se omitir perante isso tudo, são atos geralmente inconscientes para os que não fazem periódica avaliação consciente dos próprios atos. Alienados das consequências produzem sem o menor constrangimento, culpa ou vergonha, enchentes e outras tragédias que dificultam a vida de todos.

As religiões, derrotadas na função de levar os homens a meditar sobre aspectos éticos e morais ligados à humanidade ou sublimidade, aprimoram a arte da sedução com promessas de progresso material e se propõem a reunir adeptos com inclinação a venderem fé. O vil metal impera na luta constante por sucesso; e os indivíduos, apinhados em multidões alucinadas, estão cada vez mais isolados uns dos outros e achando normal pagar para receber atenção e compreensão, como se realmente recebessem.

Foi-se o tempo do clínico geral amigo da família. Hoje, os profissionais que nos atendem em todos os campos da saúde física e emocional parecem seguir o lema, “time is money” e colocam os pacientes em filas nos consultórios, numa sucessão parecida com a dos bois na trilha do matadouro (com raras exceções, é claro). Nessas relações, diz o profissional que zela pela impessoalidade, para não se envolver com o problema do outro e manter a serenidade indispensável, e isto parece correto. Mas, com esse mesmo pretexto pode passar a lidar com não pessoas ou com meras cifras monetárias...

A ansiedade e as depressões geradas pela ausência do conforto amigo (só disponível nas relações parentais e amigas preparadas com especial labor ético ou moral) são os sintomas mais corriqueiros produzidos pela política econômica liberal que propositalmente leva ao individualismo inconsequente e consagrado pela busca de conforto no consumo das mercadorias diversas, entre as quais estão as drogas ilegais e legais; as relações fetichistas de caráter masturbatório com computadores e com partes corporais adquiridas nas famosas lojas de artefatos para sexo, cujo uso torna a pessoa um acessório.

Com as pessoas “ficando” doidamente e geralmente de maneira insensata e irresponsável, temos a consagração cabal das relações fast food, nas quais os que delas desfrutam não se responsabilizam pela sorte do parceiro.

Evidente, afinal, que todos queremos atenção e compreensão, mas quantos de nós compreendemos que amor e amizade não existem sem responsável aprofundamento das relações e entendimento mútuo buscado, trabalhado, suado?

Prof. Jorge Melchiades Carvalho Filho

Fundador do NUPEP

Publicado na Folha Nordestina – edição de junho 2011

mais artigos do Prof. Jorge Melchiades