MENU

Livros do Prof. Jorge Melchiades

Caminho de Evolução

O Pardal Tarado

Palmadas no Lacaio

Maria das Dores

Nossa Posição - 3 Anos de Editoriais

Quem é Você?

Quem sou Eu?

Como Interpretar Sonhos

Um Anjo Muito Malandro

Nós, Freud e o Sonho

Seja Feliz Já

Vídeos - Psicologia Racional

Um presente para você !

Clique aqui e faça o download do livro "Nós, Freud e o Sonho" do Prof. Jorge Melchiades Carvalho Filho

Ótima oportunidade ao leitor, de conhecer alguns conceitos básicos da teoria freudiana através de uma sintética, interessante e revolucionária versão não materialista. Ao relatar O SONHO que teve com o criador da Psicanálise, o autor vai expondo, de maneira acessível a qualquer pessoa interessada, os passos primordiais para o início de uma ANÁLISE pessoal, que leve em conta os anseios mais PROFUNDOS da alma.

Outros Livros do Nupep

mais artigos do Prof. Jorge Melchiades

IGUAIS? EM QUÊ?

Dia desses ouvi alguém gritar exaltado: “somos todos iguais!”. Previ que a pessoa reclamava benefícios desfrutados por outro e a ela negados. Acertei! Foi fácil prever e acertar a previsão, simplesmente por saber, antecipadamente, que esse chavão é muito usado, mas nunca para reivindicar deveres que só os privilegiados da consciência praticam.

Muitos usam esse chavão, também, para provocar comoção e impressionar aos que se sentem prejudicados nos direitos, com a finalidade de liderá-los no próprio projeto político, como massa de desvalidos, de descamisados, ou de qualquer outro tipo de coitado. A frase é muito usada nesse sentido por ter um efeito quase mágico nas pessoas que estão de olho gordo naquilo que outros possuem. Para estas, o chavão soa como se escondesse um segredo cuja fórmula possibilitasse o final da fome no mundo, da brutalidade dos ignorantes e da exploração de uns sobre outros.

A rigor, porém, fora de certo contexto específico e idealístico, a frase é MENTIROSA, pois subjetivamente não traduz verdade lógica e, objetivamente ninguém é igual a ninguém em coisa alguma! Igualdade, do ponto de vista lógico e matemático, significa IDENTIDADE, de sorte que, se existe alguém igual a mim, sou eu mesmo.  Assim reza um princípio básico da Filosofia e do processo racional. Ainda verifica-se empiricamente e cientificamente que, do ponto de vista físico, material ou orgânico, os arranjos protéicos e genes se encarregaram de dar aos corpos uma estruturação particular e única.

Por outro lado, o caráter de cada um se desenvolve em situações singulares da vida que, por mais parecidas, geram interpretações particulares e personalidades individuais. Ah, sim! Podemos dizer que existem pessoas SEMELHANTES neste ou naquele aspecto, mas semelhança é diferente de igualdade. Assim, numa população, uma pessoa é gorda, careca e baixa; outra é alta, magra e cabeluda; uma é cidadã trabalhadora, religiosa e correta; outra é corrupta e safada; uma é responsável nas relações, enquanto outra é leviana e não confiável. Até os chamados gêmeos idênticos diferem em muitos aspectos, apesar de receberem a mesma alimentação, educação e oportunidades.

Interessante saber que se usa bastante esse chavão como base de proposta ideológica e sociológica, que nega a correção das interpretações psicológicas sobre o homem. E tal uso parece imitar o dos religiosos que propõem VERDADE inquestionável, tirânica e impositiva, de repúdio à autodeterminação psicológica das almas. Estes, quando dizem: “Somos todos iguais perante Deus”, o fazem em relação à justiça divina.

Se (e é bom atentar ao condicional), essa justiça fosse fiel ao princípio de equidade, de fato, e contemplasse as almas no esforço de sublimar-se e de humanizar-se, com privilégios conquistados na correspondência do aperfeiçoamento moral, a proposta religiosa seria lógica e coerente, porque ninguém poderia enganar a INTELIGÊNCIA SUPREMA com palavras de efeitos fortes, nem com encenações. Neste caso, a justiça divina seria absoluta, por ser impessoal, fazendo corresponder mérito com LEIS naturais, como a da morte, por exemplo, da qual ninguém pode escapar. Então, poderíamos dizer que somos iguais com certeza lógica.

Não se pode falar o mesmo da justiça dos homens, que se pauta por leis criadas artificialmente para favorecer interesses de grupos ideológicos e partidários influentes. Tais leis são executadas, muitas vezes, com o mesmo zelo e sentido, após julgamentos feitos até por corruptos, de modo que a equidade seja apenas ideal perseguido. 

Sabe-se que a educação cultural e ideológica produz cidadãos alienados com a disposição para realizar o destino técnico e progressista traçado pelo Estado. Contudo, por conta das DIFERENÇAS existentes entre pessoas, em qualquer regime governamental surgem dissidentes buscando a humanização das ações, com tendências mais amorosas, pacientes e inteligentes nas relações com a natureza, com outras pessoas e animais, em contraste com a MAIORIA oscilante entre a indiferença com a sorte alheia e a grosseria.

O fato é que generalizar qualidades a indivíduos pela SEMELHANÇA nos traços físicos ou comportamentais e depois de integrá-los numa categoria, seja de classe social, de postura nacional ou de raça pode ser confortável a uma busca de ORDEM numa realidade que parece caótica, mas é muito perigoso, porque se pode passar a considerá-los IGUAIS, num processo de estereotipia mental sujeita a todo tipo de preconceito. E este é útil somente aos que gostam de alienar para manipular.

 

Prof. Jorge Melchiades Carvalho Filho

Fundador do NUPEP

Membro da Academia Sorocabana de Letras

Publicado na Folha Nordestina – edição de agosto - 2011

mais artigos do Prof. Jorge Melchiades